Um ano sem meu irmão

 


A gente insiste em não expressar o quanto ama quem amamos, até que definitivamente nos é tirada esta chance.

Dai nos pegamos tentando lembrar todas às vezes que dissemos “te amo”.

 

Hoje fecha o primeiro ano dos demais que virão e me farão lembrar que eu amei e fui amado pelo meu irmão.

 

Eu sei que ele soube.

Por todas às vezes que encorajei, que sendo o irmão mais velho o protegi e ajudei a cria-lo desde pequeno.

 

Lembro-me de quando tinha que buscar ele na creche e eu achava aquilo muito chato  por ser eu naquela época um adolescente, mas hoje sei o quanto todos os momentos foram realmente importantes para construção do caráter e da personalidade dele, mas não somente dele, posso perceber como aprendi também.

 

Antes de eu sair de casa, ele foi o irmão que pude estar mais presente na infância e adolescência.

 

Talvez no hoje, tudo pudesse ser tristeza, mas lembro-me das palavras do Tavinho (como era conhecido por todos), me dizendo “sim eu acredito”.

Certa vez perguntei para ele se conhecia a razão do feito de Jesus Cristo na Cruz e se acreditava nele, foi então que ele me deu tal resposta.

 

Quem sabe para o descrente que ouve falar de Jesus no meio da barulheira e dos ruídos da internet, estas palavras “sim eu acredito” não façam muito sentido.

Quem sabe para os religiosos dizer estas 3 palavrinhas sejam muito pouco diante do muito que é feito por eles na igreja, contudo é para quem de fato acredita que essas palavras soam como um até logo.

 

Ainda que possamos julgar pelo que temos e sabemos, a sentença vem de Deus, e como diz um amigo meu “de Deus só podemos esperar o melhor”.

 

A gente nunca pensa que vai acontecer com a gente, até que acontece, até que uma ligação vem ou uma mensagem é recebida.

 

Aprendi que foi porque Deus nos amou primeiro é que podemos amar ao próximo, afinal não inventamos o amor e nem o descobrimos por nós mesmos, se assim fosse, saberíamos valorizar bem melhor do que realmente o fazemos, afinal tudo o que criamos e é nosso damos mais valor não é mesmo?

O dom de amar é um presente de graça dado por Deus e que devemos dar atenção.

 

O maior exemplo de amor que já se ouviu falar, é do próprio Deus por seus filhos, que no paradoxo da Cruz nos resgata de forma chocante, mesmo sem sermos merecedores.

 

Esse amor divino é antes da fundação do mundo, antes de cada um de nós se quer pensar e experimentar, é, portanto, eterno e incondicional, fiel e verdadeiro.

 

Por isso amo meu irmão como um irmão deixando as afeições em ordem no coração, para que na desordem eu não encontre o desespero.
O amor por um irmão é vigoroso, despreocupado e doce, mas também amargo é como um reflexo de um amor maior.

 

Hoje fecha o primeiro ano dos demais anos que virão em minha vida e me farão lembrar que devo dizer o quanto amo minha família, igreja e amigos.

 

Agora não o busco mais na creche, mas na memória, contudo ele ainda continua me ensinando.

 

Não espero que este texto mude a sua vida, mas espero que possa fazer o seu dia melhor.

 

Augusto Marques

 

Sugestão de leitura: 1 Coríntios 13.1-13


Comentários

Mais visto na semana